Aproveitando o gancho da festa NO DIVÃNEIO para a crítica às festas Universitárias

Por Natália Beatriz

Sempre tive uma relação muito franca com todos que me conhecem, criticando e permitindo que se façam críticas sobre os meus pensamentos... Então, pra fazer jus a forma aberta de se discutir temáticas sem que alguém se sinta ferido pessoalmente, toma lá:

No dia 20 de outubro haverá a festa NO DIVÃNEIO no Recanto do Carlito, festa de recepção dos calouros do curso de psicologia da UFU. E mesmo tendo na organização uma turma que não foi massacrada pela tradicional festa do curso, visto que no semestre anterior não houve a festa dos bixos, a 62.a. turma da Psicologia/UFU apresenta a mais tradicional festa dos bixos da psico. O slogan: “Após um ano...... a tradição está de volta!!!!”.: brega como desde que eu a conheço. Inclusive como a que eu estive na (des)organização – assumo.
Nossa! Que ilusão! Eu esperava que uma turma com tanto de gente bacana como a 62.a. não fosse perpetuar a tradição brega das festas da psicologia/UFU. Esperava mesmo, na minha santa inocência, que vocês conseguiriam usar esse espaço pra divertir a galera com atrações musicais de verdade e findar a era da “festa pra chapar e pegar” que as turmas da psicologia praticam pelo menos desde 2003, ano em que ingressei nesse curso.
Que fique bem claro que sou uma das grandes defensoras da necessidade humana de chapar e pegar... Mas até pra potencializar a chapação e obter bombas explosivas de orgasmo nas pegadas, as drogas que você estiver consumindo precisam ter qualidade.
As festas universitárias são regidas mais ou menos assim: “Precisamos de uma festa pra galera beber toda a cerveja que colocarmos no bar!” e só! Que todo mundo que organiza festas e eventos culturais têm que vender toda cerveja e não ter prejuízo é óbvio! Mas vender a alma pro diabo por isso está valendo?
Todo mundo só pensa na grana que tem que ganhar, não pensa que formar público pra banda de qualidade vai bombar inclusive festas futuras, que isso é investimento nesses eventos. As pessoas passam a requisitar as bandas e freqüentar as festas porque gostam do som, e não somente pra encher a cara, porque encher a cara é muito mais barato em casa. Mas é contagioso, ninguém quer fazer festas bacanas, todo mundo se deixa contagiar pela simplicidade tola e não avaliam o quanto suas ações, que parecem isoladas do resto do mundo, tem repercussão em um dado tempo-espaço, constrói uma determinada realidade, sendo toda ação humana uma ação política.

Vou desenhar:

Surge uma banda legal na cidade, tocando produção autoral, com influências variadas quaisquer que fujam dos estilos musicais mapeados pela mídia. Isso pra mim já é o suficiente pra pelo menos respeitar os caras, mesmo que eu não goste do som, pois eles estão nadando contra a maré do cover e da indústria. Aí se for uma galera responsável, haverá uma pesquisa das influências que podem compor as idéias iniciais da banda, isso em rítimo, em vocal, em instrumentos, em poesia, em ideologia, em figurino, em técnica. Um trabalho que não tem limite. Quando a cara da banda está pronta, aí vêm os ensaios exaustivos, instrumentos que não estão redondos, problemas financeiros. A banda vai ter uma ralação pra conseguir lugares pra tocar, divulgar o seu trabalho, tendo quase sempre um público muito restrito[i].

Ao mesmo tempo surge uma dupla Sertaneja, que na verdade é mais New Brazilian Country, brega music ou qualquer outra coisa que não sertanejo. Os caras vão pra balada de chapéu tocar cover de Bruno e Marrone. Eles só precisam de umas revistinhas de cifras das músicas dos fazendeiros citados pra reproduzir a lambança. Vão tocar em tudo quanto é buteco da cidade, com um violão desafinado, uma voz de taquara rachada e todo mundo que tiver a fim de ouvir esse som saberá como, porque todo fim de semana Coliseu, Fazendão e companhia bombam.

E aí? Quem vai se dar bem? Em Uberlândia haveria espaço e público pra que tanto as bandas independentes quanto o lixo da indústria cultural circulassem. Mas não. Só o lixo tem valor. Bandas cover ou que se alimentam do formato midiático da música conseguem ganhar grana com muito mais facilidade do que quem realmente trabalha com música, produz música, vive a música.
E aí entra o público universitário. Atual e futura classe média, média alta, motor do sistema político e econômico, futuros profissionais da saúde, da educação, da cultura, da gestão, da construção, da produção, do direito (mas estes não têm salvação mesmo!). Antigamente pra ocupar esses postos de trabalho precisava-se ter o mínimo de formação cultural: a elite era cult. E mesmo assim se fazia muita lambança sendo a massa intelectual do país; afinal de contas, é pra isso que existe uma elite. Mas surgiram também coisas interessantes desse meio como, por exemplo, a Música Popular Brasileira da década de 1970. E o círculo universitário foi muito importante para o surgimento, crescimento e construção de uma identidade da MPB. Inclusive pela grande perseguição política do regime militar a estes músicos, que encontravam nas universidades lugar propício para veicular informalmente seus trabalhos censurados. O sistema censurava, mas o público veiculava e consumia mesmo assim[ii]. Isso é subversão, é liberdade, é não consumir apenas o que querem nos fazer consumir.
Mas parece que quando a repressão tira a farda, as pessoas se esquecem que ela poderia vestir a roupa que quisesse, que estivesse mais na moda, mais descolada! A indústria cultural avança como um tanque de guerra sobre nossas vidas, nossas idéias, nossas músicas e ficamos olhando com cara de que estava acontecendo uma festa open bar! Vamos encher a cara e ser feliz!
E hoje, o que acontece? Hoje, que teoricamente existe liberdade pra se produzir o que quiser, a repressão é muito mais tênue. Vivemos em uma democracia, todos os brasileiros são felizes, vivem no país do carnaval, nada precisa mudar, vamos beber e comemorar, ao som de qualquer lixo porque somos tão bobo alegres que conseguimos nos divertir com porcaria. Aí se diz: “o som é fulero, mas é bom pra dançar!” me poupem! Assuma que faz parte do seu EU ser brega que muito melhor! Vai me dizer que não existe música de qualidade que serve pra dançar, é só o que fizeram do funk, o axé e o que restou do forró que fazem as pessoas mexerem? Não aceito.
Agora vem o ponto crucial: em vez do meio universitário contribuir pro crescimento de bandas que estão ralando, que não se inserem na lógica, não! As festas universitárias vão tocar o mesmo sempre: uma banda de pagode, um forrozinho, uma dupla sertaneja, um pop rock de vez em quando. Além de uns caras que ficam trocando CDs com os hits do momento e se auto-intitulam DJs. Nada de novo! Repito: nada de novo! “É porque festa universitária é assim mesmo, tem que ser, num dá pra ser diferente”, vão dizer. Mas ninguém tenta! Ninguém ousa! Ninguém quer inovar!
Ao contrário de tempos passados, quando a universidade era o campo onde boas idéias encontravam solo fértil pra florescer, hoje a universidade é uma plantação de soja trangênica. Uma enorme área de terra devastada, sem nada de biodiversidade que quase nos faz esquecer que ali existe vida, quanto mais vida inteligente. Uma terra a espera das sementes da TV Glogo, da Sony Music, do Triângulo Music e cia.

E aquele papo de que tem que respeitar os gostos de todo mundo, ser eclético, pra mim fica limitado quando já existem opções para uma diversidade de públicos, mas não para outros. E mais: ser eclético significa que temos que respeitar até mesmo bandas fascistas?! Gente! Conwboy tem lugar de terça a domingo no Coliseu! E no resto do sertão da farinha podre inteirim.
Galera, vocês querem dançar forró? Estamos bem no meio do cerradão brasileiro. Será que não existe nenhuma banda que toque um som dançante e regional que preste?! Será que com tanto recurso de comunicação de que dispõe a juventude de nossos tempos (só na internet: orkut, myspace e youtube por baixo!) não se consegue encontrar umas dicas de bandas da cidade ou da região que façam um trabalho gostoso?
E pra quem gosta – e tem o direito de ser brega – da banda Balakubaku não precisava ir à festa da psico. A agenda da banda está do balakubaku: dia 06/10/2007 tem Churrasconagandaia no Recanto do Carlito; e dia 07/10/2007 tem Domingo Universitário no Liverpool Club.
E se assina com tanto orgulho uma festa com essas bandas toscas no momento em que a cena independente de Uberlândia está crescendo e se organizando[iii], muitas bandas querendo fazer um trabalho legal, em vez de cumprir-se melhor os papéis que cada um de nós temos de disseminadores de idéias. É sim! Promovendo uma festa com os irmãos Hudson e Lukas vocês não estão valorizando a música sertaneja. Aceitam a idéia de que o que eles fazem é sertanejo, como se esse novo estilo não tivesse a função de matar a música sertaneja!

Chega! Estou esgotada! Ah! Devolver minhas críticas com palavrões sem sentido, sem idéias, não abalam minha auto-estima! Conversem! Conheçam o mundo! Sigam o conselho de uma banda muito legal, lá de Catalão-GO, Maria e seus malucos, na música conheça:
grite, escute, deseje, seje
algo bem maior que o seu umbig
sinta a pele leve
interprete
experimente
experimente
experimente
experimente


[i] As bandas BGs da UFU, vão tocar pra galera BG da UFU: que marca a divisão física do campus do bloco 1G ao 3M. As bandas punks vão tocar pros punks (aliás... tem punk de verdade em Udia? Estou em dúvida), os maluco do Rap vai tocar pros mano e pras mina, e o Heavy Metal... ah, o Heavy Metal... Mas ainda tem muita música! E a música regional, as percussões, o samba. Cada igrejinha com seus fiéis batizados e pagando o dízimo em dia.

[ii] Vídeo do show de Chico Buarque e Gilberto Gil cantando Cálice, tendo o microfone cortado durante o show da música censurada, mas acompanhada em voz alta pela platéia. [http://br.youtube.com/watch?v=oXGDlMMOEWg]

[iii] Jambolada, Conexão Telemig Celular, Goma, RádioBURITI, Arte na Praça, Grupo de risco, Escombro, Grupo Por Nossa Conta... Sabe o que é isso? Sabe pra que serve? Não? Esse é o problema...

5 comentários:

Marianne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marianne disse...

Bom, nao quero comentar sobre a qualidade das bandas ou das festas, porque esse assunto renderia muito assunto,e eu deixaria de falar o que realmente quero, sobre a enquete da comunidade NO DIVÃNEIO.
Se referiram às pessoas da minha turma como "folgados e desorganizados". Estou tentando entender o fundamento de tais adjetivos, uma vez que a respeito disso, tem mtas coisas a se discutir. Primeiro que como foi dito tooooooodo aquele tempo, quando entramos na UFU nao assinamos nenhum termo de compromisso de que tinhamos que fazer uma festa, isso é uma escolha de cada turma, fazer ou nao.
No caso da minha turma que escolheu fazer mas nao teve meios, ser taxados de "desorganizados", é um tanto esquisito, pq na comunidade da 62ª estão reclamando que o dinheiro ta pouco, que tem gente que nao quer ajudar, e bla bla bla...Quando as coisas sao sentidas na pele acho que é diferente. Folgados, eu nao entendi realmente!!! Ninguem da minha turma pediu pra entrar de graça ou achou que ia entrar de graça, mas enfim....rsrsrsrs.
Eu sei que quem postou a enquete lá, não é da 62ª, mas a enquete continua lá, inclusive com mtos votos.
Por ultimo, gostaria de comentar, que a integração que foi dito ser visada, se contrasta demais com o que relatei em cima, uma vez que acredito que por causa dessa enquete muitas pessoas da minha sala deixaram de participar da comunidade e até de ajudar na divulgação, uma vez que acredito que muitas pessoas da sala concordariam em ajudar a divulgar e a dar uma força...
Mas enfim...Acho que a 61ª está taxada realmente a ser a turma desorganizada, apenas por nao ter feito uma festa como a que voce descreveu aqui, não tivemos o direito de correr atras de outras prioridades, mas enfim...mentes pequenas...rsrsrs. *Depois natalia, entra na comunidade da 61ª e veja toooooodos os adjetivos que nos foram atribuídos: desonestos, desorganizados, "belos futuros psicólogos", (como se alguem no primeiro periodo entendesse muito de psicologia e entendesse o que é ser um bom psicólogo),etc., etc.*
Só nao posso deixar de parabenizar o pessoal da 62ª, pois independente de todo esse assunto aqui, eles conseguiram fazer algo que desejavam e se disponibilizaram a fazer.Então, merecem meus parabéns os que realmente organizaram a festa.

Carlinhos Ferreira disse...

Puts, caramba...... Quando vejo alguém tão jovem e com pensamentos tão lúcidos, percebo que valeu a pena, valeu a pena ter nascido, ter crescido e ter feito as opções que fiz em minha vida. Eu também percorri esse caminho tão bem descrito aqui por essa “alma boa”, ralei e ralo muito pra poder fazer a musica que acredito, Musica que tenha cara, e que leve coisas novas , idéias.....
Sinceramente eu não tenho nada a acrescentar a esse texto, pois tudo que acredito já foi lindamente dito por você. Realmente agora esta bem mais claro ainda o porque fiquei tão feliz em visitar sua cidade e ter feito oficina, ter tocado no conexão, É que quando a gente alimenta almas como a sua todo o trabalho e investimentos feitos durante toda uma vida de lutas e idéias são recompensadas e agente se sente “O cara” e isso não é bom só para o nosso ego, também nos faz mais humanos e percebemos que estamos no caminho certo, mesmo que seja um caminho de tocar e fazer arte para formiguinhas lindas como você, vale muitooooooo a pena . Um beijo enorme pra você.


Carlinhos Ferreira.

Natália Beatriz disse...

Marianne, você não deixou o email, que é uma pena.
Peço que releia o texto. Tem um tanto de palavrões, palavras xulas mesmo. Mas não estou ofendendo ninguém pessoalmente. Olha o título: eu uso de uma festa em específico para criticar a todas as festas da universidade, ou a maioria delas! é geral!
Você já estudou Piaget? é útil. Piaget vai dizer que existem várias fazes de desenvolvimento cognitivo no ser humano. Adultos com desenvolvimento normal atingem a fase Operatório-formal. Nesta fase as pessoas coseguem interpretar a realidade a partir da abstração dos estímulos que ela recebe do mundo material. Assim o raciocínio lógico pode ser usado para a resolução de todos os questionamentos do indivíduo. Exemplo: Se lhe pedem para analisar um provérbio como "de grão em grão, a galinha enche o papo", a pessoa trabalha com a lógica da idéia (metáfora) e não com a imagem de uma galinha comendo grãos.
Leia o texto novamente, mas pense que a galinha e os grãos são simbolos!

Natália Beatriz disse...

olha.. cada dia, infelizmente, o diagnóstico desse texto - por mais duro que seja - se aprofunda! Das melhores manifestações culturais de outrora, hoje a universidade oferece aos calouros show de sertanejo universitário e som automotivo!

Seguidores